quinta-feira, 11 de julho de 2019

Você sabe o que é a MALDADE?


Certamente você deve ter aprendido o que é maldade vivenciando ou experimentando situações diversas aqui neste mundo. E, nesse caso, o conceito de maldade que você deve ter em mente é aquele relacionado à prática da violência, do crime, da traição, etc.

No entanto, segundo o conteúdo bíblico, a maldade não é, a princípio, "ações", mas, antes delas, a maldade é um CONHECIMENTO de origem espiritual ou eterna. Este conhecimento, por sua vez, tem a capacidade de corromper ou perverter a sabedoria de Deus, e, ao contrário desta, trazer destruição ao seu possuidor.

Por agir contrariando a justiça de Deus, a maldade é o poder gerador do que conhecemos biblicamente como "pecado", que é a transgressão da Lei, ou transgressão da justiça do Reino de Deus, estabelecida pelo nosso Criador desde a eternidade, antes que o nosso universo fosse formado.

A maldade age fazendo-se semelhante à justiça de Deus na sua aparência, mas, por trás, sempre apresentará uma intenção ou um sentido contrário aquilo que Deus estabeleceu; por isso, inicialmente, as sugestões e ações geradas por ela podem ter "uma boa aparência", mostrando-se "inofensivas".

E, uma vez que ela entrou no homem, está, até agora, fazendo dele um hospedeiro permanente: infiltrada em sua mente e em seu corpo, não sairá mais dele, a não ser que seja devidamente bloqueada por um outro conhecimento, que tenha o mesmo tipo de origem: a espiritual. Dentro do homem a maldade sempre estará influenciando seus pensamentos e desejos; ela prossegue sendo disseminada por todos os seus descendentes, até que seu tempo chegue ao fim.

Dentro de alguém que é conhecedor de Deus, a maldade é geradora de morte, pois, o juízo decretado sobre ela eternamente, antes que o homem fosse formado, é a destruição. É por este motivo que, no livro de Gênesis, uma determinada árvore é citada: ela se encontrava no meio do jardim do Éden e era chamada "árvore do conhecimento do bem e do mal"; Deus advertiu a Adão que, se ele comesse do fruto daquela árvore, iria morrer.



Essa árvore é, na verdade, uma simbologia do criador da maldade, cujo nome é Lúcifer ou Satanás. A maldade, portanto, nasceu no coração dessa entidade, e não no coração do homem. E uma vez que Adão deixou o conhecimento da maldade - ou conhecimento do bem e do mal - entrar em sua mente, e descer ao seu coração, ele começou a enxergar as coisas que Deus criou de uma forma distorcida, o que lhe fez sentir desejos e impulsos contrários àqueles que Deus projetou para sua vida originalmente.

Tais impulsos e desejos contrários, ao serem atendidos, levam o homem a transgredir a justiça de Deus. É por este motivo que, após Adão receber o conhecimento da maldade, "seus olhos se abriram", ou seja, ele viu que Deus estava certo e querendo proteger sua vida quando lhe advertiu, e agora, ele sabia que estava condenado por causa do erro grave que havia cometido. 

Devido a maldade ser um fenômeno de origem espiritual ou eterna, ela não é visível aos olhos naturais, para que, enxergando-a,  possamos saber onde ela está, a fim de bloqueá-la, antes que se transforme em ações. A única maneira de sabermos onde ela está é através das suas mais variadas manifestações em nosso meio ou em nós mesmos.

Mas, para que tenhamos certeza de que uma ação ou comportamento está se originando da maldade, é necessário o entendimento da justiça de Deus, pois, como falei anteriormente, a manifestação do mal pode se passar por uma "ação justa", confundindo nosso julgamento sobre ela.

A justiça de Deus é o padrão de retidão que Deus usa para agir e pelo qual formou todo o universo material. De posse desse conhecimento, qualquer pessoa se torna capaz de discernir o que está vindo da operação da maldade e o que não está.

Assim sendo, a sabedoria de Deus está acessível a toda a humanidade pelo ensino de Cristo. No Novo Testamento da Bíblia, é possível acompanhar as falas de Jesus nos evangelhos, onde ele explica sobre o Seu Reino e a justiça que opera nele, bem como a doutrina dos apóstolos, que repassaram, através de cartas dirigidas às igrejas, todo o restante das explicações recebidas de Jesus, e que são necessárias para o entendimento da justiça de Deus.


Conhecer a justiça de Deus e colocá-la em prática, portanto, é a única forma de bloquear o mal. O conhecimento da justiça de Deus, também conhecido como "verdade" é o único poder capaz de vencer a ação da maldade, também chamada de "mentira". Então, uma vez que alguém conhece a verdade - a justiça de Deus - se torna apto para discernir a maldade e sua ação e, desta forma, resisti-la e rejeitá-la corretamente, até que consiga se ver livre dela totalmente.

É por isso que Jesus disse: "E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará". (João 8:32) e "Digo-lhes a verdade: Todo aquele que vive pecando é escravo do pecado." (João 8:34)

Missionária Oriana Costa


Sigam-me - Considerações sobre Mateus capítulo 4 - Parte 3

 Em breve mais uma postagem. Aguardem! ☺️