quinta-feira, 29 de agosto de 2019

O início da criação - as dimensões eterna e física

Este é um estudo bíblico complementar para facilitar o entendimento do texto anterior onde explico sobre o juízo de Deus. A Bíblia Sagrada fornece as bases para todas as informações aqui contidas, de Gênesis a Apocalipse. E, com toda a certeza, vamos observar algumas delas nesse estudo.

Vamos começar observando a parte inicial do livro de Gênesis, para entendermos as existências das realidades eterna e física, e como foi que a maldade teve início, juntamente com o juízo de Deus sobre ela:

No princípio criou Deus o céu e a terra. E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. E disse Deus: Haja luz; e houve luz. E viu Deus que era boa a luz; e fez Deus separação entre a luz e as trevas. E Deus chamou à luz Dia; e às trevas chamou Noite. E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro. E disse Deus: Haja uma expansão no meio das águas, e haja separação entre águas e águas. E fez Deus a expansão, e fez separação entre as águas que estavam debaixo da expansão e as águas que estavam sobre a expansão; e assim foi. E chamou Deus à expansão Céus, e foi a tarde e a manhã, o dia segundo. E disse Deus: Ajuntem-se as águas debaixo dos céus num lugar; e apareça a porção seca; e assim foi. (Gênesis 1:1-9)

No trecho acima, inicialmente vemos como foram criadas as duas dimensões, eterna e física. Deus criou-as por completo em sete fases ou sete dias. 

Como podemos observar, o nosso Criador existe fora dessas duas dimensões, pois Ele as criou: e isso é algo difícil de compreender, pois não temos uma visão dessas duas realidades fora do nosso universo material. No entanto, podemos compreendê-las a partir das informações que as escrituras nos oferecem.

No versículo primeiro, o "céu" se refere à realidade/dimensão eterna ou realidade/dimensão espiritual, e a "terra" à realidade/dimensão física ou realidade/dimensão material. 

No versículo segundo, observamos que antes mesmo de Deus dar forma concreta à dimensão física (ela ainda estava sem forma e vazia), o conhecimento da maldade ou conhecimento do bem e do mal  já existia na dimensão eterna: são as "trevas"; e o "abismo" é a região na dimensão eterna onde este conhecimento foi gerado e exerce domínio, podendo também ser chamado de "reino das trevas". 

O termo "águas", no versículo segundo, está se referindo a região da dimensão eterna onde Deus se move ou habita. O Espírito de Deus, portanto, se move ou habita nessa região específica. 

Até aqui, portanto, podemos discernir a existência de duas dimensões criadas por Deus: uma espiritual, constituída por determinados elementos e estruturas que não conhecemos, e uma outra, a material, constituída por elementos que conhecemos, como átomos, moléculas, e substâncias e materiais formados por estes. E na dimensão espiritual, discernimos a existência de duas regiões: as "águas" e o "abismo".

No versículo terceiro, vemos a instituição do juízo de Deus sobre o conhecimento da maldade, antes mesmo que o universo material e o Reino de Deus fossem totalmente formados e estabelecidos: Deus fez a "luz". Nesse versículo, entendemos que a "luz" veio para desfazer ou julgar/punir a ação das "trevas". 

Deus criou a luz como uma forma de combater a maldade, e isto nós entendemos no versículo quarto, quando Deus faz separação entre a luz e as trevas. E a luz, assim como as trevas, também é um "conhecimento", que, mais tarde, tomou a forma humana: o "verbo" que se fez carne - Jesus Cristo, a fim de libertar toda a humanidade da escravidão da maldade.

A luz, portanto, é o conjunto de leis/mandamentos ou a legislação que rege a dimensão eterna, e que, por sua vez, também rege a dimensão física, visto que esta foi criada a partir da eterna.    

No quinto versículo, é concluída a primeira fase ou o primeiro dia da criação de Deus, que, como vemos, aconteceu antes do nosso universo material ser totalmente formado. 

O Criador concluiu esta parte dando nomes as duas situações que já existiam eternamente, chamando "dia" ao conjunto de todo o conhecimento criado na eternidade para combater as trevas, e chamando "noite" ao conjunto de todo o conhecimento relacionado as trevas.

É por isso que no Novo Testamento, encontramos uma passagem como esta: Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão; Porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas. Não durmamos, pois, como os demais, mas vigiemos, e sejamos sóbrios; Porque os que dormem, dormem de noite, e os que se embebedam, embebedam-se de noite. Mas nós, que somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo-nos da couraça da fé e do amor, e tendo por capacete a esperança da salvação. (1 Tessalonicenses 5:4-8)

No sexto versículo observamos o momento onde Deus dividiu as águas, ou dividiu a dimensão eterna em duas partes. Ele assim fez para que uma parte desse lugar permanecesse fixada na dimensão eterna (céu), e outra parte dele estivesse fixa na dimensão física (terra), e esta última parte funcionando como uma "embaixada" do lugar onde Deus habita na dimensão física. 

Por isso lemos que houve uma "expansão no meio das águas", que implicou numa "separação entre águas e águas". No momento que Deus criou essa expansão, ele começou a dar forma ao nosso universo ou realidade material, criando um grande vácuo entre as "águas". É por este motivo que os cientistas afirmam que o nosso universo está em constante "expansão", e essa situação, como podemos notar, está declarada nas escrituras bíblicas antes mesmo que os cientistas se dessem conta disso.

A dimensão física ou o nosso universo material, portanto, ganha forma oficialmente a partir do momento que Deus cria uma expansão ou um grande vácuo separando as "águas", fazendo com que uma parte do lugar onde Ele já habitava fosse estabelecida "debaixo da expansão" ou na dimensão física. Esse acontecimento observamos no versículo sétimo.

No versículo oitavo, Deus chama a expansão ou esse vácuo de "céus". Aqui se dá o desfecho da segunda parte ou do segundo dia da criação de Deus. 

E no nono versículo, finalmente Deus começa a modelar a dimensão material, ordenando que as águas "se juntassem"; com isso, elementos espirituais são transformados em materiais, e os átomos, moléculas e substâncias que conhecemos passam a existir. 

E depois disso, esses elementos foram adquirindo os estados físicos da matéria que conhecemos num "lugar determinado", debaixo da expansão; portanto, foi assim que o nosso Criador separou/formou a "porção seca" dentro do nosso universo material.


E chamou Deus à porção seca Terra; e ao ajuntamento das águas chamou Mares; e viu Deus que era bom. (Gênesis 1:10)

Com o versículo acima, podemos perceber como se iniciou a modelagem da dimensão material: o nosso Criador transforma uma parte "das águas" que já tinha dividido, e que antes estavam na sua forma original eterna, em algo físico, dividindo-as ainda em outras duas partes: uma parte sólida (a parte seca), que chamou de "Terra" e uma líquida (a parte úmida), que chamou de "Mares".

Curiosamente "debaixo da expansão" ou "no universo cósmico que conhecemos" só há um lugar onde terra e mares estão juntos: o planeta Terra.



Missionária Oriana Costa
     
     





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo(a) ao Blog Sala Gospel. Sua mensagem será avaliada e se obedecer aos critérios de boa conduta será postada em breve. Agradecemos a compreensão.

Sigam-me - Considerações sobre Mateus capítulo 4 - Parte 3

 Em breve mais uma postagem. Aguardem! ☺️