sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

Dêem a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus.

Estudaremos, agora, um trecho do evangelho de Mateus, que mostra como os chefes dos sacerdotes e mestres da Lei reagiram, após serem confrontados por Jesus no templo, em Jerusalém, enquanto Ele ali ensinava.

Depois de ouvirem as três parábolas que Jesus lhes contou (Mateus 21 e 22), entendendo que, através delas, o Senhor estava denunciando a hipocrisia deles publicamente, aqueles líderes começaram a trabalhar mais rápido para prendê-lo e, se possível, exterminá-lo. 

Como eles não entenderam que Cristo era realmente o Messias, naquele momento, Ele representava uma ameaça à continuidade das regalias, poder e prestígio que aqueles homens usufruíam.

Então os fariseus saíram e começaram a planejar um meio de enredá-lo em suas próprias palavras. Enviaram-lhe seus discípulos juntamente com os herodianos que lhe disseram: "Mestre, sabemos que és íntegro e que ensinas o caminho de Deus conforme a verdade. Tu não te deixas influenciar por ninguém, porque não te prendes à aparência dos homens. Dize-nos, pois: Qual é a tua opinião? É certo pagar imposto a César ou não? (Mateus 22:15-17)

Os herodianos eram os adeptos de uma provável seita (ou de um partido político) onde se acreditava na divindade de Herodes Antipas (o imperador de Roma na época), e até que ele poderia ser o verdadeiro Messias esperado pelos israelitas. Esse grupo de pessoas era composto de mensageiros e soldados do império romano, e, pelos interesses em comum que infelizmente existiam, estavam unidos à liderança religiosa de Israel.

Assim sendo, essas pessoas, que foram enviadas a Jesus, estavam na expectativa de vê-lo se contradizer de alguma forma: caso o Senhor defendesse a fé em Deus e o povo de Israel, se oporia ao domínio do império romano, mas se defendesse o controle romano, se oporia ao povo de Israel e a Deus. Nas duas situações Jesus seria considerado um rebelde, digno de condenação.

No entanto, o grupo foi surpreendido pela resposta de Jesus, que, ao mesmo tempo, defendeu a fé em Deus e o governo que estava estabelecido sobre os israelitas, e também diferenciou as duas situações através do que eles tinham em mãos: o conhecimento das Escrituras e o dinheiro que usavam na época para pagar o imposto.

Mas Jesus, percebendo a má intenção deles, perguntou: "Hipócritas! Por que vocês estão me pondo à prova? Mostrem-me a moeda usada para pagar o imposto". Eles lhe mostraram um denário, e ele lhes perguntou: "De quem é esta imagem e esta inscrição?" "De César", responderam eles. E ele lhes disse: "Então, deem a César o que é de César e a Deus o que é de Deus". Ao ouvirem isso, eles ficaram admirados; e, deixando-o, retiraram-se. (Mateus 22:18-22)

A moeda com a qual se pagava o imposto a César era a moeda do próprio império romano. Muitas vezes os israelitas eram obrigados a fazer o câmbio (comprar antes as moedas com o ouro ou a prata que tinham), sempre que iam pagar os impostos.

Por isso, Jesus pediu "a moeda usada para pagar o imposto", fazendo ali a diferenciação entre a obrigação que o povo de Israel tinha de obedecer a Deus, cumprindo os mandamentos da Lei, e a obrigação de pagar o imposto a César, por estarem debaixo do domínio dele.

O fato dos Israelitas obedecerem a Deus não tirava a obrigação deles de se submeterem a autoridade da nação que os estava dominando, pois a rebelião contra as autoridades, além de ser considerada uma transgressão perante Deus, também trazia prisão e morte para os rebeldes.

Portanto, se o próprio Deus não interferisse para libertar o povo, toda vez que eles iam cativos nas mãos de uma outra nação, eles tinham que se submeter às autoridades, tanto por temor a Deus quanto pelo perigo de morte pela rebelião.

Em relação à reação dos fariseus contra Jesus, é interessante notar que, estando os herodianos presentes no momento de abordarem Jesus, aquela liderança não estava nem um pouco interessada na libertação do povo de Israel do domínio de Roma, muito pelo contrário.

Na verdade, eles queriam continuar como estavam, porque daquela forma, ao mesmo tempo que já tinham o prestígio do povo, por terem sido separados para o serviço do templo e serem conhecedores das Escrituras, também usufruíam dos "lucros" de manter o povo submisso ao controle romano. 

Por esse motivo é que aqueles fariseus eram bem mais corruptos que os "publicanos", nome dado aos israelitas que trabalhavam para o império romano, cobrando imposto do povo. Os publicanos não eram bem vistos pela sociedade judaica, sendo considerados traidores, contudo os fariseus se mostravam bem piores que eles. Essa foi a razão pela qual tantas vezes Jesus confrontou aqueles lideres religiosos, reprovando-os publicamente.

Deus nunca desejou que os israelitas fossem dominados por outras nações e prometeu dar a eles um Rei que os governaria PARA SEMPRE, o qual viria no tempo determinado pelo Pai, segundo o que fora dito pelos profetas.

Os fariseus  estavam desprezando totalmente essas informações, em troca de usufruírem de um conforto material que não tinham a mínima ideia do tempo que iria durar.


Texto: Missionária Oriana Costa

Edição: Pr. Wendell Costa

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

A parábola do banquete de casamento

A parábola do banquete de casamento é a terceira contada por Cristo aos chefes dos sacerdotes e mestres da Lei enquanto ensinava no templo, em Jerusalém, a fim de lhes chamar a atenção para a forma incrédula e rebelde que estavam agindo em relação a Deus. Leia sobre as outras duas nos textos anteriores "De onde era o batismo de João" e "A pedra que os construtores rejeitaram".

Nessa história, o Senhor Jesus, mais uma vez, explicou, de maneira resumida, como o Pai iria julgar a situação de Israel e dos demais povos da terra através de Seu Filho Unigênito.
Jesus lhes falou novamente por parábolas, dizendo: "O Reino dos céus é como um rei que preparou um banquete de casamento para seu filho. Enviou seus servos aos que tinham sido convidados para o banquete, dizendo-lhes que viessem; mas eles não quiseram vir. "De novo enviou outros servos e disse: ‘Digam aos que foram convidados que preparei meu banquete: meus bois e meus novilhos gordos foram abatidos, e tudo está preparado. Venham para o banquete de casamento!’ "Mas eles não lhes deram atenção e saíram, um para o seu campo, outro para os seus negócios. Os restantes, agarrando os servos, maltrataram-nos e os mataram. O rei ficou irado e, enviando o seu exército, destruiu aqueles assassinos e queimou a cidade deles. (Mateus 22:1-7)
Na primeira parte da parábola, o Mestre fala do cumprimento da promessa de salvação que o Pai (o rei) fez com Abraão através de uma Aliança (o banquete de casamento). Também fala dos servos enviados (os profetas), dos convidados para o banquete (o povo de Israel) e dos outros servos enviados (João Batista e Ele próprio). O "exército" enviado para destruir "aqueles assassinos" (a nação de Israel) foi o de Roma, pois na época do sacrifício e ressurreição de Cristo, aquele povo era dominado pelo Império Romano.

No Antigo Testamento, há trechos como o que se segue abaixo, já prevendo a situação em que o povo se encontraria quando o Messias viesse, e é importante notar que os líderes religiosos tinham acesso a tais escrituras:
O Senhor diz: "Esse povo se aproxima de mim com a boca e me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. A adoração que me prestam só é feita de regras ensinadas por homens. Por isso uma vez mais deixarei atônito esse povo com maravilha e mais maravilha; a sabedoria dos sábios perecerá, a inteligência dos inteligentes se desvanecerá". Ai daqueles que descem às profundezas para esconder seus planos do Senhor, que agem nas trevas e pensam: "Quem é que nos vê? Quem ficará sabendo?" (Isaías 29:13-15)
Voltando à parábola, Cristo continua dizendo:
Então disse a seus servos: ‘O banquete de casamento está pronto, mas os meus convidados não eram dignos. Vão às esquinas e convidem para o banquete todos os que vocês encontrarem’. Então os servos saíram para as ruas e reuniram todas as pessoas que puderam encontrar, gente boa e gente má, e a sala do banquete de casamento ficou cheia de convidados. "Mas quando o rei entrou para ver os convidados, notou ali um homem que não estava usando veste nupcial. E lhe perguntou: ‘Amigo, como você entrou aqui sem veste nupcial? ’ O homem emudeceu. "Então o rei disse aos que serviam: ‘Amarrem-lhe as mãos e os pés, e lancem-no para fora, nas trevas; ali haverá choro e ranger de dentes’. "Pois muitos são chamados, mas poucos são escolhidos". (Mateus 22:8-14)
Nessa outra parte da parábola, o Mestre fala aos "seus servos" (a igreja) que o banquete de casamento está pronto, ou seja, que o Messias veio, foi sacrificado, ressuscitou, mas os antigos "convidados" (os israelitas) não eram dignos, significando que aquele povo não entendeu e rejeitou o cumprimento da promessa, que aconteceu diante deles com a instituição de uma nova aliança entre Deus e toda a humanidade. 

Então, desta vez, todas as outras pessoas encontradas no caminho daqueles novos servos seriam convidadas a participar do banquete, e isso vem acontecendo até os nossos dias, através da anunciação do evangelho sobre a terra.

As "ruas", as quais Jesus se refere, são as outras nações da terra, onde o evangelho vem sendo anunciado desde o início da igreja.

Sobre o homem que estava no banquete mas "não usava veste nupcial", ele representa todas as pessoas que dizem acreditar em Deus, e até estão congregando nas denominações cristãs, mas rejeitam a Sua Justiça e não se revestem do novo homem (Cristo):
Quanto à antiga maneira de viver, vocês foram ensinados a despir-se do velho homem, que se corrompe por desejos enganosos, a serem renovados no modo de pensar e a revestir-se do novo homem, criado para ser semelhante a Deus em justiça e em santidade provenientes da verdade. (Efésios 4:22-24)
Mas agora, abandonem todas estas coisas: ira, indignação, maldade, maledicência e linguagem indecente no falar. Não mintam uns aos outros, visto que vocês já se despiram do velho homem com suas práticas e se revestiram do novo, o qual está sendo renovado em conhecimento, à imagem do seu Criador. (Colossenses 3:8-10)
Portanto, haverá condenação eterna para todos aqueles que se dizem seguidores de Jesus, mas de fato o estão negando.

Quando o evangelho da salvação é anunciado, a mensagem do Reino é exposta, e todos os que a ouvem vão sendo advertidos a abandonar a maldade embutida nos princípios do mundo, para viverem segundo os princípios do Reino de Deus. Contudo, os que decidiram congregar em uma igreja, mas não se convertem verdadeiramente, vivendo sem adequar suas vidas à justiça de Deus, não serão "escolhidos", ou seja, não entrarão no Reino. Por isso, Jesus encerra o raciocínio da parábola dizendo "muitos são chamados, mas poucos são escolhidos".

Texto: Miss. Oriana Costa 

Edição: Pr. Wendell Costa

sábado, 6 de fevereiro de 2021

A pedra que os construtores rejeitaram

O momento em que o Pai enviou Seu Filho Unigênito foi exato. Deus não falha jamais. O fato de Jesus não ter sido reconhecido e sofrer rejeição pela maioria dos judeus, especialmente pelas lideranças, mostra que Cristo veio na hora certa. 

Muitas pessoas ficam indignadas ao lerem os evangelhos e saberem a forma como o Senhor foi recebido e tratado em sua própria nação. No entanto, se não tivesse acontecido daquela forma, as informações contidas no Antigo Testamento seriam falsas. Tudo o que aconteceu com Jesus foi predito através dos profetas da Antiga Aliança.

Segundo o conteúdo do Antigo Testamento, o justificador da humanidade nasceria em Israel, no seguinte contexto: os israelitas estariam dominados por uma outra nação e, portanto, não teriam um rei, além de estarem influenciados por lideranças religiosas corrompidas.

Por isso, o Pai preparou "um homem especial", que não se abalaria com o que iria enfrentar e seguiria até o fim com seu trabalho, sem desanimar. No trecho que vamos analisar a seguir, Jesus estava em Jerusalém, no templo, no meio de um confronto com os líderes religiosos:

Ouçam outra parábola: Havia um proprietário de terras que plantou uma vinha. Colocou uma cerca ao redor dela, cavou um tanque para prensar as uvas e construiu uma torre. Depois arrendou a vinha a alguns lavradores e foi fazer uma viagem. Aproximando-se a época da colheita, enviou seus servos aos lavradores, para receber os frutos que lhe pertenciam. Os lavradores agarraram seus servos; a um espancaram, a outro mataram e apedrejaram o terceiro. Então enviou-lhes outros servos em maior número, e os lavradores os trataram da mesma forma. Por último, enviou-lhes seu filho, dizendo: ‘A meu filho respeitarão’. Mas quando os lavradores viram o filho, disseram uns aos outros: ‘Este é o herdeiro. Venham, vamos matá-lo e tomar a sua herança’. Assim eles o agarraram, lançaram-no para fora da vinha e o mataram. Portanto, quando vier o dono da vinha, o que fará àqueles lavradores? Responderam eles: Matará de modo horrível esses perversos e arrendará a vinha a outros lavradores, que lhe deem a sua parte no tempo da colheita. (Mateus 21:33-41)

Essa, na verdade, é a segunda parábola que Jesus contou aos chefes dos sacerdotes e mestres da Lei, após ser abordado por eles enquanto ensinava no templo, em Jerusalém. 

Na primeira, o Senhor fala de um Pai que tinha dois filhos, um que fez a sua vontade e o outro não, comparando o filho que atendeu o pai aos publicanos e prostitutas, e aquele que não atendeu aos líderes religiosos (leia o texto anterior "De onde é o batismo de João?").

Agora, o Mestre fala de um certo proprietário de terras que plantou uma vinha, arrendou-a a alguns lavradores e viajou. Os significados por trás das palavras na parábola são os seguintes: a vinha é a aliança que Deus tinha feito com Abraão; a cerca são os mandamentos que Ele havia dado a Moisés; o tanque e a torre se referem ao templo; os lavradores são os sacerdotes e mestres da Lei, e os servos que o dono da vinha enviou são os profetas.

Quando Jesus falou do "filho do dono da vinha" estava falando de Si mesmo e já predizendo o que estava para acontecer. É realmente curioso ver que os líderes religiosos entenderam bem o raciocínio da história e deram uma resposta sensata ao Senhor e, apesar de saberem que o Mestre estava falando deles, foram incapazes de perceber que as parábolas declaravam tudo o que eles pretendiam fazer com Jesus e também o castigo que eles sofreriam depois.

Jesus lhes disse: "Vocês nunca leram nas Escrituras? ‘A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular; isso vem do Senhor, e é algo maravilhoso para nós’. "Portanto eu lhes digo que o Reino de Deus será tirado de vocês e será dado a um povo que dê os frutos do Reino. Aquele que cair sobre esta pedra será despedaçado, e aquele sobre quem ela cair será reduzido a pó". Quando os chefes dos sacerdotes e os fariseus ouviram as parábolas de Jesus, compreenderam que ele falava a respeito deles. E procuravam um meio de prendê-lo; mas tinham medo das multidões, pois elas o consideravam profeta. (Mateus 21:42-46)

E assim como fez em momentos anteriores, mais uma vez o Mestre cita um trecho das Escrituras, para chamar a atenção daqueles senhores, quando falou "a pedra que os construtores rejeitaram..." (veja Salmos 118:22,23).

Ele ainda avisou que esta pedra (Ele mesmo) traria juízo para aqueles que a rejeitassem, despedaçando os que caíssem sobre ela (ou tropeçassem nela), por não quererem enxergá-la, e transformando em pó os que estivessem embaixo dela quando caísse, por tentarem derrubá-la. Isso está predito no livro do profeta Isaías, que diz:

"Ao Senhor dos Exércitos é que vocês devem considerar santo, a ele é que vocês devem temer, dele é que vocês devem ter pavor. Para os dois reinos de Israel ele será um santuário, mas também uma pedra de tropeço, uma rocha que faz cair. E para os habitantes de Jerusalém ele será uma armadilha e um laço. Muitos deles tropeçarão, cairão e serão despedaçados, presos no laço e capturados." (Isaías 8:13-15)

Assim, apesar de saberem que Jesus estava se referindo a eles nas parábolas e estar avisando o que lhes sobreviria devido à sua incredulidade, aquelas lideranças israelitas ainda procuraram prender o Senhor e só não o fizeram naquele momento por causa do povo, de quem não queriam perder o prestígio. 

De fato, tudo aconteceu como foi predito: o Reino de Deus foi anunciado primeiro aos israelitas. Como a grande maioria do povo e também as autoridades rejeitaram o Messias, cerca de 40 anos após a sua morte e ressurreição aconteceu a destruição de Israel. Os israelitas que ficaram vivos se espalharam pelas outras nações da terra e a anunciação do Reino de Deus, que deveria ser feita pelos judeus, continuou sendo feita por outros povos.

Texto: Miss. Oriana Costa 

Edição: Pr. Wendell Costa

terça-feira, 2 de fevereiro de 2021

De onde era o batismo de João?

No trecho seguinte, extraído do Evangelho de Mateus, Jesus conversa com os sacerdotes e líderes  religiosos em Jerusalém:

Jesus entrou no templo e, enquanto ensinava, aproximaram-se dele os chefes dos sacerdotes e os líderes religiosos do povo e perguntaram: "Com que autoridade estás fazendo estas coisas? E quem te deu tal autoridade?" Respondeu Jesus: "Eu também lhes farei uma pergunta. Se vocês me responderem, eu lhes direi com que autoridade estou fazendo estas coisas. De onde era o batismo de João? Do céu ou dos homens?" (Mateus 21:23-25)

Nos últimos dois estudos, vimos como aconteceu a entrada de Jesus em Jerusalém, no dia anterior ao evento citado no versículo acima, e o que aconteceu no templo. De fato, foram muitos sinais dados de uma só vez na presença dos líderes religiosos judaicos, no entanto, aqueles senhores não conseguiam enxergar que Jesus Cristo era o Messias que eles deveriam estar esperando.

Quando o Senhor aparece por lá no dia seguinte, ensinando sobre o Reino de Deus, é novamente abordado por aqueles homens, que ainda insistiam em saber "com que autoridade Ele fazia aquelas coisas", ou seja, eles queriam saber quem havia dado a Jesus o poder para realizar os milagres e com quem Ele havia aprendido tanto sobre as escrituras sagradas, a ponto de ensinar sobre elas.

É claro que, depois de ter dado tantas provas de quem Ele realmente era, não seria mais necessário fazer tal pergunta a Jesus. Porém, o Mestre aproveitou a situação para colocá-los numa saia justa, perguntando o óbvio a eles: de onde era o batismo de João.

João Batista foi o profeta que o Pai usou para falar que o Messias já havia chegado, e estava em Israel, bem como que Ele iniciaria seu ministério em breve (por isso, João Batista foi o último profeta da Antiga Aliança). Abaixo seguem três trechos do Antigo Testamento que se referem a ele:

Perto está a salvação que ele trará aos que o temem, e a sua glória habitará em nossa terra. O amor e a fidelidade se encontrarão; a justiça e a paz se beijarão. A fidelidade brotará da terra, e a justiça descerá dos céus. O Senhor nos trará bênçãos, e a nossa terra dará a sua colheita. A justiça irá adiante dele e preparará o caminho para os seus passos. (Salmo 85:9-13)

Uma voz clama: No deserto preparem o caminho para o Senhor; façam no deserto um caminho reto para o nosso Deus. (Isaías 40:3)
Vejam, eu enviarei a vocês o profeta Elias antes do grande e terrível dia do Senhor. Ele fará com que os corações dos pais se voltem para seus filhos, e os corações dos filhos para seus pais; do contrário eu virei e castigarei a terra com maldição.
(Malaquias 4:5,6)

Evidentemente, aqueles líderes sabiam qual era a resposta da pergunta que o Senhor fez, mas não queriam admitir que estavam errados, que não estavam se importando com as coisas de Deus; eles temiam perder suas posições influentes na sociedade, então mentiram dizendo que "não sabiam" de onde era o batismo de João.

Eles discutiam entre si, dizendo: "Se dissermos: ‘do céu’, ele perguntará: ‘Então por que vocês não creram nele?’ Mas se dissermos: ‘dos homens’ — temos medo do povo, pois todos consideram João um profeta". Eles responderam a Jesus: "Não sabemos". E ele lhes disse: "Tampouco lhes direi com que autoridade estou fazendo estas coisas". (Mateus 21:25-27)

Naquele instante Cristo expôs as reais intenções dos chefes dos sacerdotes e mestres da Lei: todos os que estavam ali entenderam que eles não estavam interessados em fazer a vontade de Deus, mas queriam apenas permanecer no poder, usufruindo das regalias que suas posições lhes proporcionavam.

Então, de uma forma sábia, o Mestre aproveita para confrontá-los educadamente, contando-lhes uma pequena parábola:

"O que acham? Havia um homem que tinha dois filhos. Chegando ao primeiro, disse: ‘Filho, vá trabalhar hoje na vinha’. E este respondeu: ‘Não quero! ’ Mas depois mudou de ideia e foi. O pai chegou ao outro filho e disse a mesma coisa. Ele respondeu: ‘Sim, senhor! ’ Mas não foi. Qual dos dois fez a vontade do pai? "O primeiro", responderam eles. Jesus lhes disse: "Digo-lhes a verdade: Os publicanos e as prostitutas estão entrando antes de vocês no Reino de Deus. Porque João veio para lhes mostrar o caminho da justiça, e vocês não creram nele, mas os publicanos e as prostitutas creram. E, mesmo depois de verem isso, vocês não se arrependeram nem creram nele". (Mateus 21:28-32)

Apesar de João Batista, que anunciou a chegada do Messias, também ter dado os sinais previstos nas escrituras, as lideranças judaicas, que deveriam ter sido os primeiros a discernirem o que Deus estava fazendo, nada perceberam, por causa da dureza de coração deles. 

No entanto, eles sabiam que tanto os procedimentos do profeta como o de Cristo não eram comuns ou vindos da mente humana e, mesmo assim, nem ao menos se deram o trabalho de analisar o que estava acontecendo à luz das escrituras, desprezando totalmente os dois enviados de Deus.

Por estarem espiritualmente cegos e surdos, para aqueles homens, tanto João quanto Jesus eram apenas concorrentes, que precisavam ser eliminados a todo o custo, para que não perdessem a credibilidade do povo e também a honra diante das autoridades romanas.

Texto: Miss. Oriana Costa 

Edição: Pr. Wendell Costa



Tenham fé e não duvidem.

Após o evento de sua maravilhosa entrada em Jerusalém, onde foi acompanhado por uma grande multidão, Jesus foi pernoitar no povoado de Betânia, planejando voltar a Jerusalém no dia seguinte. Quando seguia de volta, Jesus encontra uma figueira sem frutos à beira do caminho:

De manhã cedo, quando voltava para a cidade, Jesus teve fome. Vendo uma figueira à beira do caminho, aproximou-se dela, mas nada encontrou, a não ser folhas. Então lhe disse: "Nunca mais dê frutos!" Imediatamente a árvore secou. Ao verem isso, os discípulos ficaram espantados e perguntaram: "Como a figueira secou tão depressa?" Jesus respondeu: "Eu lhes asseguro que, se vocês tiverem fé e não duvidarem, poderão fazer não somente o que foi feito à figueira, mas também dizer a este monte: ‘Levante-se e atire-se no mar’, e assim será feito. E tudo o que pedirem em oração, se crerem, vocês receberão". (Mateus 21:18-22)

O fato de Jesus ter ordenado à figueira que ela não mais frutificasse não foi algo aleatório, simplesmente porque o Mestre se chateou por não encontrar figos para seu café da manhã. A situação era um sinal e se referia ao cumprimento do juízo que estava para vir sobre a nação de Israel:

Até a cegonha no céu conhece as estações que lhe estão determinadas, e a pomba, a andorinha e o tordo observam a época de sua migração. Mas o meu povo não conhece as exigências do Senhor. ‘Como vocês podem dizer "Somos sábios, pois temos a lei do Senhor", quando na verdade a pena mentirosa dos escribas a transformou em mentira? Os sábios serão envergonhados; ficarão amedrontados e serão pegos na armadilha. Visto que rejeitaram a palavra do Senhor, que sabedoria é essa que eles têm? (...). Desde o menor até o maior, todos são gananciosos; tanto os sacerdotes como os profetas, todos praticam a falsidades. (...). Ficaram eles envergonhados de sua conduta detestável? Não, eles não sentem vergonha, nem mesmo sabem corar. Portanto, cairão entre os que caem; serão humilhados quando eu os castigar, declara o Senhor. ‘Eu quis recolher a colheita deles, declara o Senhor. Mas não há uvas na videira nem figos na figueira; as folhas estão secas. O que lhes dei será tomado deles’. (Jeremias 8:7-13)

No dia anterior, quando o Cristo estava em Jerusalém, ao entrar no templo, encontrou o pátio cheio de comerciantes. Eles não deviam estar ali, pois aquele era um local reservado apenas para se buscar a Deus. No entanto, os encarregados de cuidar dos serviços templários, que eram os sacerdotes e levitas, ao invés de honrarem o nome do Senhor, empenhando-se em cumprir os mandamentos da Lei, permitiram o comércio na entrada do templo, a fim de participarem dos lucros das vendas.

Aquela situação era um grande insulto a Deus e mostrava o descaso que aqueles líderes tinham em relação ao Criador. Para eles, era muito mais importante lucrar financeiramente do que agradar a Deus. E essa situação deixou o Cristo bem incomodado, a ponto de expulsar os vendedores e cambistas dali. (Leia Mateus 21:12-13). 

Sem contar que, quando Jesus estava expulsando os negociantes, Ele o fez na presença dos chefes dos sacerdotes e mestres da Lei que estavam no templo naquele momento, e eles não se envergonharam do acontecido.

Então, voltando para o raciocínio do nosso texto, quando os discípulos presenciaram o evento da figueira, eles não entenderam que se tratava de um sinal. De fato, eles se admiraram da rapidez com a qual aquela grande árvore havia secado e perguntaram ao Mestre como aquilo era possível. 

A resposta de Jesus aos seus discípulos foi que, para fazer coisas daquele tipo acontecerem, era preciso ter fé, e que não houvessem dúvidas, ou seja: a fé é uma certeza apoiada sobre um conhecimento verdadeiro e infalível, digno de plena confiança.

Como sabemos, a maldição que Jesus lançou sobre a árvore não foi aleatória, mas fundada em algo instituído pelo Pai, que estava publicado nas Escrituras. Portanto, e como Ele era o Messias, daquela forma, sinalizou que o juízo decretado sobre Israel estava próximo.

Assim sendo, somente a fé embasada no conhecimento da justiça de Deus pode gerar autoridade para que ações diferenciadas e sobrenaturais sejam executadas. Isto também vale para as petições feitas em oração, para que possam ser atendidas pelo Pai.

Essa era a fé que Jesus tinha, pois mesmo sendo o Filho de Deus, Ele precisava conhecer, profundamente, e acreditar no que estava escrito sobre Ele mesmo, sendo movido pela Palavra de Deus.

Quando oramos pelos enfermos, usando a imposição de mãos, por exemplo, eles serão curados, não pela nossa própria virtude humana, mas pelo fato de isso ser uma promessa que está estabelecida nas Escrituras (Marcos 16:17-18).

Portanto, era sobre isso que Cristo estava falando. A confiança d'Ele estava naquilo que o Pai havia decretado por Sua Palavra, sendo daí que vinha a autoridade do Filho do homem para realizar milagres e prodígios.


Texto: Miss. Oriana Costa 

Edição: Pr. Wendell Costa


segunda-feira, 1 de fevereiro de 2021

Bendito é o que vem em nome do Senhor.

Provavelmente, a última vez que Jesus deveria ter posto os pés em Jerusalém, antes de sua crucificação, teria sido no ano anterior, na festa da Páscoa, de acordo com o costume dos judeus. De fato, no trecho que vamos analisar aqui (Mateus 21:1-17), essa festa já estava próxima, e Jesus sabia que, por causa disso, o dia em que seria crucificado e morto já estava às portas.

Algumas coisas, porém, ainda precisavam acontecer, antes do sacrifício e ascensão do Filho do homem, para que se cumprisse tudo o que havia sido dito pelos profetas sobre Ele.

Quando se aproximaram de Jerusalém e chegaram a Betfagé, ao monte das Oliveiras, Jesus enviou dois discípulos, dizendo-lhes: "Vão ao povoado que está adiante de vocês; logo encontrarão uma jumenta amarrada, com um jumentinho ao lado. Desamarrem-nos e tragam-nos para mim. Se alguém lhes perguntar algo, digam-lhe que o Senhor precisa deles e logo os enviará de volta". Isso aconteceu para que se cumprisse o que fora dito pelo profeta: "Digam à cidade de Sião: ‘Eis que o seu rei vem a você, humilde e montado num jumento, num jumentinho, cria de jumenta’". Os discípulos foram e fizeram o que Jesus tinha ordenado. Trouxeram a jumenta e o jumentinho, colocaram sobre eles os seus mantos, e sobre estes Jesus montou. (Mateus 21:1-7)

De forma prodigiosa, o Senhor disse exatamente onde a jumenta estaria amarrada com seu filhote no povoado de Betfagé, sem ter estado ali recentemente. Ainda ordena aos discípulos que, se alguém perguntasse porque os animais estavam sendo levados, eles deveriam responder: "o Senhor precisa deles e logo os enviará de volta".

Com certeza, Jesus sabia quem era o dono dos jumentos e que a pessoa "cria nele", a ponto de confiar na resposta dos discípulos.

No Antigo Testamento, no livro do profeta Zacarias, se encontra o trecho onde está predito como o Messias se apresentaria em Jerusalém antes de ser sacrificado:

Alegre-se muito, cidade de Sião! Exulte, Jerusalém! Eis que o seu rei vem a você, justo e vitorioso, humilde e montado num jumento, um jumentinho, cria de jumenta. (Zacarias 9:9)

Porém, como já sabemos, o messias que os judeus estavam esperando seria um indivíduo que libertaria o povo da opressão da nação que os dominava naquela época: o Império Romano. Eles não imaginavam que o seu rei não viria para fazer guerra contra seres humanos, mas sim contra as obras das trevas, para vencê-las, da forma como o Pai havia determinado. Por isso, o povo enxergava Cristo apenas como um profeta, apesar dos sinais que dava de seu poder e autoridade.

Uma grande multidão estendeu seus mantos pelo caminho, outros cortavam ramos de árvores e os espalhavam pelo caminho. A multidão que ia adiante dele e os que o seguiam gritavam: "Hosana ao Filho de Davi!" "Bendito é o que vem em nome do Senhor!" "Hosana nas alturas!"" Quando Jesus entrou em Jerusalém, toda a cidade ficou agitada e perguntava: "Quem é este?" A multidão respondia: "Este é Jesus, o profeta de Nazaré da Galileia". (Mateus 21:8-11)

A palavra "hosana" é de origem hebraica, e quer dizer "salve-nos"; porém, nesse caso, a palavra estava sendo usada com o sentido de louvor, aclamação. O que a multidão dizia era algo como "salve o Filho de Davi" (Hosana ao Filho de Davi) e "louvado seja desde os altos céus" (Hosana nas alturas). 

De fato, a multidão cumpriu uma profecia feita há muito tempo atrás pelo Rei Davi, que diz:

"Bendito é o que vem em nome do Senhor. Da casa do Senhor nós os abençoamos. O Senhor é Deus, fez resplandecer sobre nós a sua luz. Juntem-se ao cortejo festivo, levando ramos até as pontas do altar." (Salmos 118:26,27)

É importante notar que essa multidão foi se formando desde Jericó, e o grupo cresceu ainda mais quando Jesus chegou em Betfagé. Toda aquela gente ia à frente de Cristo, gritando alto, antes mesmo de Jesus entrar em Jerusalém, o que agitou os moradores da cidade.

No capítulo 12 do Evangelho de João esse episódio é contado com outros detalhes, como veremos abaixo:

Seis dias antes da Páscoa Jesus chegou a Betânia, onde vivia Lázaro, a quem ressuscitara dos mortos. Ali prepararam um jantar para Jesus. Marta servia, enquanto Lázaro estava à mesa com ele. (...) Enquanto isso, uma grande multidão de judeus, ao descobrir que Jesus estava ali, veio, não apenas por causa de Jesus, mas também para ver Lázaro, a quem ele ressuscitara dos mortos. Assim, os chefes dos sacerdotes fizeram planos para matar também Lázaro, pois por causa dele muitos estavam se afastando dos judeus e crendo em Jesus. No dia seguinte, a grande multidão que tinha vindo para a festa ouviu falar que Jesus estava chegando a Jerusalém. Pegaram ramos de palmeiras e saíram ao seu encontro, gritando: "Hosana! " "Bendito é o que vem em nome do Senhor! " "Bendito é o Rei de Israel!" Jesus conseguiu um jumentinho e montou nele, como está escrito: "Não tenhas medo, ó cidade de Sião; eis que o seu rei vem, montado num jumentinho". A princípio seus discípulos não entenderam isso. Só depois que Jesus foi glorificado, perceberam que lhe fizeram essas coisas, e que elas estavam escritas a respeito dele. (João 12:1-16)

A entrada de Jesus Cristo em Jerusalém antes de seu sacrifício foi mesmo digna de um rei muito querido, ainda que Ele não estivesse montado num lindo cavalo e acompanhado de soldados bem armados. 

Jesus entrou no templo e expulsou todos os que ali estavam comprando e vendendo. Derrubou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas, e lhes disse: "Está escrito: ‘A minha casa será chamada casa de oração’; mas vocês estão fazendo dela um ‘covil de ladrões’". Os cegos e os mancos aproximaram-se dele no templo, e ele os curou. (Mateus 21:12-14)

O fato de certos animais serem usados nos sacrifícios determinados na Lei atraia o interesse dos negociantes, que não satisfeitos em fazer seu comércio no centro de Jerusalém também se instalaram no pátio do templo, visando um lucro maior. No entanto, o templo era um lugar que deveria ser utilizado somente para o culto a Deus, não como um espaço para o comércio.

Essa situação era um tremendo insulto ao Nome de Deus e caracterizava uma grande falta de reverência ao Criador, especialmente por parte daqueles que deveriam trabalhar nos serviços do templo, que eram os sacerdotes e os levitas.

Por isso, o Senhor se aborreceu com a presença dos comerciantes, expulsando-os dali. Essa reação de Cristo havia sido predita no livro de Salmos:

O zelo pela tua casa me consome, e os insultos daqueles que te insultam caem sobre mim. (Salmo 69:9)

A passagem citada por Cristo, no momento em que expulsava os negociantes do templo, se encontra no livro do profeta Isaías:

A minha casa será chamada casa de oração para todos os povos. (Isaías 56:7)

Após esse ocorrido, o Senhor ainda operou milagres, curando os deficientes que lá se encontravam. E agora, mais uma vez, os discípulos, os chefes dos sacerdotes, os mestres da Lei e a multidão que seguia Jesus puderam testemunhar o poder e a autoridade que o Pai havia entregue a Ele, ainda que não estivessem entendendo o que estavam presenciando.

Enquanto os vendedores eram expulsos e os cegos e mancos eram sarados, as crianças que estavam ali louvavam o Senhor Jesus gritando "Hosana ao Filho de Davi". Tudo isso deixou os chefes dos sacerdotes e mestres da Lei com muita raiva, pois sem discernirem que Jesus era o Messias, tinham inveja da popularidade e da fama que Ele tinha alcançado em toda a Israel.

Mas quando os chefes dos sacerdotes e os mestres da lei viram as coisas maravilhosas que Jesus fazia e as crianças gritando no templo: "Hosana ao Filho de Davi", ficaram indignados, e lhe perguntaram: "Não estás ouvindo o que estas crianças estão dizendo?" Respondeu Jesus: "Sim, vocês nunca leram: ‘dos lábios das crianças e dos recém-nascidos suscitaste louvor’?" E, deixando-os, saiu da cidade para Betânia, onde passou a noite. (Mateus 21:15-17)

O Senhor Jesus, mais uma vez, usa um trecho das Escrituras, para mostrar as pessoas quem realmente Ele era:

Tu ordenaste força da boca das crianças e dos que mamam, por causa dos teus inimigos, para fazer calar ao inimigo e ao vingador. (Salmos 8:2)

Contudo, as autoridades de Israel não conseguiam enxergar o óbvio, apesar de todos os sinais que estavam acontecendo diante deles. Essa circunstância também já havia sido predita pelo profeta Isaías:

Então ouvi a voz do Senhor, conclamando: "Quem enviarei? Quem irá por nós?" E eu respondi: "Eis-me aqui. Envia-me!" Ele disse: "Vá, e diga a este povo: Estejam sempre ouvindo, mas nunca entendam; estejam sempre vendo, e jamais percebam. Torne insensível o coração desse povo; torne surdos os ouvidos dele e feche os seus olhos. Que eles não vejam com os olhos, não ouçam com os ouvidos, e não entendam com o coração, para que não se convertam e sejam curados". (Isaías 6:8-10)

Encerrando a conversa com as lideranças israelitas, o Mestre foi a um povoado que ficava ali próximo, chamado Betânia, para descansar e dormir, a fim de voltar a Jerusalém no dia seguinte, para continuar seu trabalho de anunciação do Reino.


Texto: Miss. Oriana Costa 

Edição: Pr. Wendell Costa

Sigam-me - Considerações sobre Mateus capítulo 4 - Parte 3

 Em breve mais uma postagem. Aguardem! ☺️