segunda-feira, 28 de fevereiro de 2022

O Julgamento - Considerações sobre Mateus 27 - Parte 2


Dando continuidade ao estudo do capítulo 27 do Evangelho de Mateus, agora vamos entender o que aconteceu com o Senhor Jesus quando ele foi levado às autoridades romanas e, em seguida, foi condenado à morte. Para uma melhor compreensão do que se sucedeu nesses momentos, vamos agregar aqui mais alguns trechos correspondentes que se encontram nos outros três evangelhos.

Ao verificarmos os outros trechos que falam do mesmo assunto nos evangelhos de Marcos, Lucas e João, iremos nos deparar com informações complementares sobre o que aconteceu com Jesus um pouco antes de ser levado à presença do governador de Jerusalém e, também, quando já estava na presença deste.

Vejamos a narrativa do Evangelho de Mateus:

Jesus foi posto diante do governador, e este lhe perguntou: "Você é o rei dos judeus? " Respondeu-lhe Jesus: "Tu o dizes". Acusado pelos chefes dos sacerdotes e pelos líderes religiosos, ele nada respondeu. Então Pilatos lhe perguntou: "Você não ouve a acusação que eles estão fazendo contra você?" Mas Jesus não lhe respondeu nenhuma palavra, de modo que o governador ficou muito impressionado.
Por ocasião da festa era costume do governador soltar um prisioneiro escolhido pela multidão. Eles tinham, naquela ocasião, um prisioneiro muito conhecido, chamado Barrabás. Pilatos perguntou à multidão que ali se havia reunido: "Qual destes vocês querem que lhes solte: Barrabás ou Jesus, chamado Cristo?" Porque sabia que o haviam entregado por inveja. 
Estando Pilatos sentado no tribunal, sua mulher lhe enviou esta mensagem: "Não se envolva com este inocente, porque hoje, em sonho, sofri muito por causa dele". Mas os chefes dos sacerdotes e os líderes religiosos convenceram a multidão a que pedisse Barrabás e mandasse executar a Jesus.
Então perguntou o governador: "Qual dos dois vocês querem que eu lhes solte?" Responderam eles: "Barrabás!" Perguntou Pilatos: "Que farei então com Jesus, chamado Cristo?" Todos responderam: "Crucifica-o!" "Por quê? Que crime ele cometeu?", perguntou Pilatos. Mas eles gritavam ainda mais: "Crucifica-o!"
Quando Pilatos percebeu que não estava obtendo nenhum resultado, mas, pelo contrário, estava se iniciando um tumulto, mandou trazer água, lavou as mãos diante da multidão e disse: "Estou inocente do sangue deste homem; a responsabilidade é de vocês". Todo o povo respondeu: "Que o sangue dele caia sobre nós e sobre nossos filhos!" Então Pilatos soltou-lhes Barrabás, mandou açoitar Jesus e o entregou para ser crucificado. (Mateus 27:11-26)

Nas primeiras horas da manhã do dia seguinte a sua prisão, que aconteceu já bem tarde da noite do dia anterior (muito provavelmente entre as 22 e 23 horas), Cristo foi levado à presença do governador da província da Judeia, Pôncio Pilatos, a fim de ser julgado e condenado à morte por ele. Esse detalhe observamos no Evangelho de Marcos:

De manhã bem cedo, os chefes dos sacerdotes com os líderes religiosos, os mestres da lei e todo o Sinédrio chegaram a uma decisão. Amarrando Jesus, levaram-no e o entregaram a Pilatos. (Marcos 15:1)

Então, depois de passar a madrugada inteira sendo humilhado e acusado injustamente pelos sacerdotes e lideres religiosos de Israel, e sofrendo violência por parte dos soldados romanos que o prenderam, sem mais demoras, Ele é levado para ser julgado pelas autoridades romanas.

Jesus foi primeiro levado a Pilatos, que estava no Pretório em Jerusalém, e este o enviou a Herodes quando soube que Jesus era Galileu, pois Herodes governava aquela região. Herodes, por sua vez, não encontrando motivos para condenar Cristo, mandou-o de volta a Pilatos.

O Pretório era uma grande construção, parecida com um castelo, que, além de servir como residência para o governador, servia de prisão para os criminosos e também era o local onde eram realizados os julgamentos destes. Essa informação encontramos no Evangelho de João:

Em seguida, de Caifás os judeus levaram Jesus para o Pretório. Já estava amanhecendo e, para evitar contaminação cerimonial, os judeus não entraram no Pretório; pois queriam participar da Páscoa. (João 18:28)

Assim, os soldados romanos levaram Jesus para dentro daquele lugar e os líderes religiosos de Israel ficaram do lado de fora, pois, como o fechamento da celebração da Páscoa aconteceria exatamente no fim daquele dia, os judeus não deveriam se contaminar entrando em locais considerados "imundos" por eles.

No entanto, na Lei Mosaica não há quaisquer mandamentos que ordenem os israelitas a não entrarem em casas de gentios, prisões ou tribunais antes da celebração da Páscoa, a fim de não se contaminarem. 

Isso significa que, provavelmente, assim como o costume de "lavar as mãos antes das refeições" ou "estar desobrigado de sustentar os pais idosos, caso o dinheiro destinado a esse fim fosse entregue como oferta no templo", essa era mais uma prática criada pela tradição e agregada aos costumes judaicos como se fosse vinda de Deus.

Prosseguindo com nosso estudo, vamos focar agora no diálogo que houve entre Jesus e Pilatos, antes de sua condenação. Essa conversa aconteceu após Jesus ter sido enviado a Herodes, e este tê-lo mandado de volta a Pilatos, sem ter visto nele quaisquer motivos para acusá-lo. Enquanto esteve diante de Herodes, o Cristo se manteve calado, de acordo com o relato constante no Evangelho de Lucas:

Pilatos perguntou se Jesus era galileu. Quando ficou sabendo que ele era da jurisdição de Herodes, enviou-o a Herodes, que também estava em Jerusalém naqueles dias. Quando Herodes viu Jesus, ficou muito alegre, porque havia muito tempo queria vê-lo. Pelo que ouvira falar dele, esperava vê-lo realizar algum milagre. Interrogou-o com muitas perguntas, mas Jesus não lhe deu resposta. Os chefes dos sacerdotes e os mestres da lei estavam ali, acusando-o com veemência. Então Herodes e os seus soldados ridicularizaram-no e zombaram dele. Vestindo-o com um manto esplêndido, mandaram-no de volta a Pilatos. Herodes e Pilatos, que até ali eram inimigos, naquele dia tornaram-se amigos. (Lucas 23:6-12)

Tanto Herodes quanto Pilatos esperavam que Cristo se defendesse de alguma forma, mas o réu não disse palavra alguma em sua defesa, o que surpreendeu especialmente o governador da província da Judeia. 

De fato, antes mesmo de conversar com Jesus, Pilatos sabia que todas as acusações contra ele eram falsas, pois já estava ciente da inveja que os líderes religiosos de Israel tinham dele, como lemos em Mateus 27:18, e por isso não tinha motivos para condenar o Senhor. No evangelho de Marcos vemos um relato similar:

"Vocês querem que eu lhes solte o rei dos judeus? ", perguntou Pilatos, sabendo que fora por inveja que os chefes dos sacerdotes lhe haviam entregado Jesus. (Marcos 15:9,10)

Na conversa que Pilatos teve com o Senhor, antes de se dirigir à multidão, apesar de ter notado que Jesus não se defendeu das acusações, ele ouviu algumas palavras que o deixaram temeroso de condenar aquele réu. Nos dois trechos abaixo podemos conferir as respostas de Cristo:

Pilatos então voltou para o Pretório, chamou Jesus e lhe perguntou: "Você é o rei dos judeus?" Perguntou-lhe Jesus: "Essa pergunta é tua, ou outros te falaram a meu respeito?" Respondeu Pilatos: "Acaso sou judeu? Foram o seu povo e os chefes dos sacerdotes que entregaram você a mim. Que é que você fez?" Disse Jesus: "O meu Reino não é deste mundo. Se fosse, os meus servos lutariam para impedir que os judeus me prendessem. Mas agora o meu Reino não é daqui". "Então, você é rei!", disse Pilatos. Jesus respondeu: "Tu dizes que sou rei. De fato, por esta razão nasci e para isto vim ao mundo: para testemunhar da verdade. Todos os que são da verdade me ouvem". "Que é a verdade?", perguntou Pilatos. Ele disse isso e saiu novamente para onde estavam os judeus e disse: "Não acho nele motivo algum de acusação". (João 18:33-38)

Os judeus insistiram: "Temos uma lei e, de acordo com essa lei, ele deve morrer, porque se declarou Filho de Deus". Ao ouvir isso, Pilatos ficou ainda mais amedrontado e voltou para dentro do palácio. Então perguntou a Jesus: "De onde você vem?", mas Jesus não lhe deu resposta."Você se nega a falar comigo?", disse Pilatos. "Não sabe que eu tenho autoridade para libertá-lo e para crucificá-lo?" Jesus respondeu: "Não terias nenhuma autoridade sobre mim, se esta não te fosse dada de cima. Por isso, aquele que me entregou a ti é culpado de um pecado maior". Daí em diante Pilatos procurou libertar Jesus, mas os judeus gritavam: "Se deixares esse homem livre, não és amigo de César. Quem se diz rei opõe-se a César". (João 19:7-12)

Pilatos temeu que alguns dos motivos pelos quais Jesus estava sendo acusado pelos líderes religiosos fossem, na verdade, motivos para respeitá-lo e reverenciá-lo. Muito provavelmente Pilatos temeu que Ele fosse mesmo o Cristo (o Messias) que os judeus esperavam, pois observou autoridade e sabedoria nas respostas de Jesus.

A própria esposa de Pilatos enviou-lhe uma mensagem antes que ele desse o veredito, pedindo ao seu marido para não se envolver naquele julgamento, por ter recebido em sonho a revelação de que aquele homem era inocente, e que na ocasião havia sofrido muito por causa dele (Mateus 27:19)

Então, a fim de evitar um tumulto desnecessário, que poderia tomar proporções maiores e violentas, e que certamente levaria muitos judeus à prisão e à morte, Pôncio Pilatos não viu outra saída senão condenar Jesus, mas deixando claro que não via nele culpa para isso.

Foi por estes motivos que, ao terminar o julgamento de Jesus, Pilatos se esquivou da responsabilidade da condenação daquele homem inocente à morte, e entregou-a oficialmente aos judeus, lavando as mãos diante deles (Mateus 27:24).

Dentre as muitas acusações que as lideranças religiosas de Israel fizeram diante de Herodes e Pilatos, os evangelhos ressaltam as seguintes:

  • Encontramos este homem subvertendo a nossa nação. Ele proíbe o pagamento de imposto a César e se declara ele próprio o Cristo, um rei. (Lucas 23:2)
  • Quem se diz rei opõe-se a César. (João 19:12)
  • Ele está subvertendo o povo em toda a Judeia com os seus ensinamentos. Começou na Galileia e chegou até aqui. (Lucas 23:5)
  • Temos uma lei e, de acordo com essa lei, ele deve morrer, porque se declarou Filho de Deus. (João 19:7)

No Antigo Testamento, encontramos alguns trechos que se referem à maneira como Jesus iria se comportar diante das autoridades no momento de seu julgamento, e que Ele seria julgado injustamente:

Como um cordeiro foi levado para o matadouro, e como uma ovelha que diante de seus tosquiadores fica calada, ele não abriu a sua boca. Com julgamento opressivo ele foi levado. (Isaías 53:7,8)

Como um surdo, não ouço, como um mudo, não abro a boca. Fiz-me como quem não ouve, e em cuja boca não há resposta. (Salmos 38:13,14)

Pois homens ímpios e falsos dizem calúnias contra mim, e falam mentiras a meu respeito. Eles me cercaram com palavras carregadas de ódio; atacaram-me sem motivo. Em troca da minha amizade eles me acusam, mas eu permaneço em oração. Retribuem-me o bem com o mal, e a minha amizade com ódio. (Salmos 109:2-5)

Com relação ao povo escolher um rebelde/assassino para ser solto no lugar de Jesus, foi algo inusitado, pois a tendência dos judeus naquele evento seria escolher alguém que segundo a Lei Mosaica não fosse digno de morte. 

Barrabás era muito conhecido (Mateus 27:16), ou seja, já tinha um histórico de se meter em confusão. Naquele momento, ele estava preso por ter participado de uma rebelião contra o Império Romano, onde havia matado pessoas, e isso já era o suficiente para que Jesus fosse escolhido para ser solto, e não Barrabás.

Segundo a Lei Mosaica, um assassino deveria ser condenado à morte:

Quem matar uma pessoa terá que ser executado como assassino mediante depoimento de testemunhas. Mas ninguém será executado mediante o depoimento de apenas uma testemunha. Não aceitem resgate pela vida de um assassino; ele merece morrer. Certamente terá que ser executado. (Números 35:30,31)

No entanto, o ódio e a inveja que os líderes religiosos tinham do Senhor chegou ao extremo de negarem os mandamentos da Lei descaradamente e em público, optando por devolver à liberdade um indivíduo perigoso para a sociedade, em vez de libertarem Jesus.

Essa situação expôs o que realmente estava nos corações daquelas lideranças israelitas: eles não tinham qualquer temor a Deus, e colocavam a satisfação das suas próprias vontades acima da obediência aos mandamentos dados a eles por Seu Criador, em quem diziam crer.

Sobre a fala da multidão no fechamento do julgamento de Jesus Cristo "que o sangue dele caia sobre nós e sobre nossos filhos!", foram palavras ditas com ironia, no entanto, o povo não tinha ideia do peso que elas tinham, haja vista que estavam julgando o Filho de Deus, o Seu Rei, que estava totalmente inocente. Com tal declaração os habitantes de Jerusalém decretaram para si um rigoroso juízo, que, de fato, já havia sido predito pelos profetas no Antigo Testamento, e que aconteceu ali 40 anos após (clique aqui para saber mais sobre a destruição de Jerusalém em 70 d.C.).

Missionária Oriana Costa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo(a) ao Blog Sala Gospel. Sua mensagem será avaliada e se obedecer aos critérios de boa conduta será postada em breve. Agradecemos a compreensão.

O batismo de Jesus - Considerações sobre Mateus capítulo 3 - parte 2

Novo texto em construção. Aguardem a postagem! 😉👍🏻